CEO’s não podem ignorar as redes sociais

Marketing. -

Existem algumas razões pelas quais os CEO’s têm evitado o social media, contudo, agora não podem continuar a negar as evidências e os benefícios das redes sociais.

CEO’s não podem ignorar as redes sociais

Os dias em que os executivos das empresas podiam permanecer “escondidos” atrás de uma sala de reuniões acabaram.

Cada vez mais é importante que os CEO’s das empresas demonstrem o seu compromisso para com as marcas, consumidores e fãs, sendo que as expectativas são cada vez mais elevadas.

Ora, as redes sociais são uma das formas de demonstrar esse mesmo compromisso e envolvimento para com o público alvo da empresa.

Na verdade, e de acordo com um estudo divulgado recentemente pela BRANDfog, os CEO’s que têm presença nas redes sociais são melhores líderes, construem mais confiança e demonstram mais valores e responsabilidade para com a marca e o seu público.

Contudo, e apesar de conhecidos os benefícios das redes sociais, sobretudo do LinkedIn que assume um carácter mais profissional, cerca de 68% dos CEO’s das 500 maiores empresas americanas, não têm presença ativa nas redes sociais, segundo um estudo conduzido pela CEO.com e pela DOMO.

Existem, no entanto, algumas razões pelas quais os CEO’s têm evitado a presença nas redes sociais:

1 – Falta de tempo: pela natureza do seu trabalho e tendo em conta que são pessoas extremamente ocupadas, raramente os CEO’s têm tempo para gerir a sua presença nas redes sociais.

2 – Pouco espaço para erros: grande parte dos CEO’s estão habituados a ter os seus conteúdos como entrevistas, notícias e comunicados de imprensa trabalhados por equipas de profissionais. Além disso, estes são canais únicos de comunicação, por isso, não existe um risco tão grande de críticas por parte do público.

Nas redes sociais isso não acontece tornado impossível a ocorrência de qualquer erro. Assim, os CEO’s têm receio de trabalhar a sua presença temendo não conseguir controlar os comentários e interações menos boas.

3 – Redes sociais não são para CEO’s: na grande maioria dos casos os CEO’s parecem não acreditar na potencialidade das redes sociais e no sucesso que podem trazer à sua função.

Ou seja, na realidade o que justifica a falta de presença nas redes sociais por parte dos CEO’s das empresas passa sobretudo pela descrença que existe ainda face às redes sociais.

CEO’s nas redes sociais

O que grande parte dos CEO’s ainda não compreende é que o risco maior passa por não estar nas redes sociais e não por marcar presença.

Ou seja, a falta de interação tanto para com os funcionários da empresa, como para com os consumidores e para com os investidores faz com que a visão seja de falta de interesse por parte do CEO.

E a verdade é que existem casos de sucesso elevado, por exemplo, o CEO da GM Marry Barra, usou a rede social Twitter como forma de gestão de crise. A sua participação nas discussões com os consumidores demonstrou preocupação e envolvimento por parte da entidade máxima da empresa.

A questão que se coloca é: como devem os  CEO’s desenvolver a sua presença online?

1. Escolha das ferramentas certas

Tal como para as empresas e marcas, também os CEO’s devem escolher as melhores plataformas para marcar presença.

Assim, é importante que seja desenvolvida uma estratégia com base no tempo que o CEO tem para fazer a gestão das suas redes, bem como quais as que deve estar presentes, sendo o LinkedIn de presença obrigatória.

2. Trabalhar com profissionais da área

 O trabalho desenvolvido nas redes sociais deve ser acompanhado por profissionais que compreendam o meio e consigam preparar estratégias e conteúdos emotivos e indicados para a comunicação do CEO.

3. Conhecer casos de sucesso de outros CEO’s

Aprender com casos de sucesso melhora a forma como o trabalho é executado. Por isso, os CEO’s podem tomar como exemplo a comunicação feita por profissionais semelhantes que tenham obtido o sucesso desejado.

A verdade é esta, atualmente nenhuma marca, empresa ou representante pode negligenciar as redes sociais e as suas potencialidades.


Partilhe a sua opinião