Voltar

6 principais erros de Remarketing

Vários são os erros praticados pelas marcas nas campanhas de Remarketing, erros esses que podem diminuir o tráfego e descredibilizar as campanhas.

6 principais erros de Remarketing

Uma das grandes funcionalidades do Google Adwords é a possibilidade de fazer remarketing. Redirecionar utilizadores novamente para uma página quando fazem pesquisas ou navegam pela Internet, gerando ainda mais tráfego.

Sempre que o utilizador navega pela Internet e vê um anúncio de um produto ou serviço de uma página que visitou anteriormente, está sobre a presença de uma campanha de remarketing.

Contudo, existem diversos erros que as marcas cometem, levando-as a pensar que a ferramenta da Google não é a melhor opção, uma vez que não obtêm os resultados prometidos. Evitar certos erros pode assim dinamizar um página da Internet trazendo mais clientes às marcas.

Não inserir a etiqueta do remarketing em todas as páginas:

Utilizar o remarketing é tão simples como inserir uma linha de código, dada pelo Google Adwords, em todas as páginas de um website. Assim, qualquer que seja o teor do acesso de utilizador, a campanha surtirá efeito.

Colocar esta etiqueta nas páginas de login ou contactos é necessário, pois falhar uma página pode traduzir-se em perder os utilizadores. Colocar em todas garante que independentemente do conteúdo da pesquisa a campanha irá ter repercussões.

Hoje em dia, também já possível fazer campanhas de remarketing em aplicações móveis, não falhando nenhum dos pontos de contacto da marca.

Não excluir audiências específicas:

Em e-commerce, as campanhas de remarketing têm de funcionar de forma diferente. Comunicar produtos e serviços para utilizadores que já efetuaram uma compra pode não surtir resultados.

É necessário criar exclusões específicas para visitantes que foram convertidos, isto é, que efetuaram uma compra, tendo em conta que estes visitantes como já não são novas aquisições não faz sentido serem tratados como tal.

A melhor forma de contornar este aspecto é redirecionar os visitantes que efetuaram uma compra, criando campanhas de remarketing para produtos complementares ou acessórios.

Contudo, é preciso ter atenção que ao fim de algum tempo esses consumidores têm de voltar a ser considerados como novas aquisições, para não serem molestados, e retirá-los de certas categorias de websites, pois a má colocação de um anúncio pode dar uma imagem negativa à marca.

Não limitar o número de impressões:

Não colocar um limite no número de impressões diárias de cada anúncio pode ter consequências graves. Bombardear o utilizador com anúncios sempre que visita um website pode levá-lo a desenvolver uma opinião negativa.

Se não for colocado um limite nas impressões o CTR (Click Trough Rate) irá diminuir, redirecionando menos os utilizadores para o website das marcas. Fazendo com que os anúncios sejam barulho, em vez de pontos de contacto importantes.

Com a diminuição desta taxa o CPC (Custo por Clique) aumenta, sendo uma experiência negativa para as marcas, já que o custo da campanha depois vai ser superior ao desejado.

erros de remarketing

Tipo errado de anúncios:

O sucesso de anúncio não depende apenas do seu conteúdo ou mensagem. O tipo de anúncio, se é um banner, texto ou um anúncio em Flash, contribui ativamente para o aumento, ou não, da sua visibilidade.

Ao realizar uma campanha de remarketing é necessário ver que tipo de anúncio se adequa a cada situação. Não existem anúncios multiusos que vão ser eficientes em todos os websites e com todos os públicos.

Um exemplo são os anúncios estáticos contra os animados em Flash. Sendo que o anúncio em Flash já limita alguns utilizadores, como os de plataformas móveis, e existem dados que mostram que anúncios estáticos têm uma maior sucesso que os animados.

Licitações de anúncios muito baixas:

As marcas entram em leilões de anúncios para verem o seu anúncio mais bem colocado. Apesar de não ser necessário licitar grandes valores para ter uma boa posição nas páginas, uma baixa licitação pode diminuir o CTR.

Começar com licitações altas mostra ao algoritmo do Google que o CTR e a eficácia daquele anúncio são elevadas, gerando, assim, um maior tráfego. Quando as conversões já forem relevantes, o valor da licitação pode ser mais baixo, diminuindo o valor da campanha.

Opções defeito não alteradas:

O Google Adwords tem alguma opções defeito que têm de ser alteradas para que seja possível realizar uma campanha de remarketing, caso contrário as marcas não terão resultados.

A Conservative Targeting Optimization é uma opção que se encontra escolhida por defeito, e que mostra os anúncios a quem nunca visitou o website. Assim sendo, não estamos na presença de remarketing e os resultados não vão ser os desejados.

A Similiar Users é uma opção que anula por completo o remarketing, pois é um grupo que apenas mostra os anúncios a quem não visita o website. Outro tipo de campanha que deve ser usado de forma diferente do remarketing.

Por fim, o Flexible Reach apenas mostra os anúncios quando são feitas licitações, e esta opção tem de ser alterada para “Lance e Segmentação” de forma a que chegue a todos os e não apenas a a utilizadores de websites com lances.

Evitando estes erros é possível criar fortes campanhas de remarketing, maximizando a visibilidade dos anúncios, tornar a conversão de utilizadores maior e consequentemente também as receitas.

O remarketing deve ser usado proporcionalmente à dimensão da marca, crescendo a seu lado e não ficando acima ou abaixo das suas possibilidades.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos relacionados